As Jabuticabas e o sabor da infância

 

© 2002-2016 Roberto Weigand

“No sítio da Dona Benta havia vários pés, mas bastava um para que todos se regalassem até enjoar. Justamente naquela semana as jabuticabas tinham chegado “no ponto” e a menina não fazia outra coisa senão chupar jabuticabas. Volta e meia trepava à árvore, que nem uma macaquinha. Escolhia as mais bonitas, punha-as entre os dentes e tloc! E depois do tloc, uma engolidinha de caldo e – pluf! –caroço fora. E tloc, pluf, tloc, pluf, lá passava o dia inteiro na árvore.”

Em 1931, Monteiro Lobato, em seu livro “Reinações de Narizinho”, inicia o capítulo “O sítio do Picapau Amarelo” com elas, as jabuticabas. Entre tantos pés que havia no sítio, o pé de jabuticaba era sem dúvida o predileto, tendo além de Narizinho, outros fregueses, como Rabicó, as abelhas e as vespas.

As jabuticabas têm gosto de infância! Brasileiríssima, a jabuticaba é nativa da Mata Atlântica e seu nome vem do tupi. Há os que dizem que ela foi batizada pelos índios de iaouti kaua, que significa “fruto de que se alimenta o jabuti”, já outros dizem que o nome vem de iapoti kaba, que significa “frutas em botão”. Com a descoberta do Brasil, o nome foi “aportuguesado” passando para Jabuticaba.

A jabuticabeira (Plinia sp.) é uma árvore frutífera de porte médio, pertencente à família Myrtaceae, que pode alcançar de 10 a 15 metros de altura. Nove espécies são conhecidas, destacando-se três: P. trunciflora Berg, P. cauliflora (DC) Berg, e P. jaboticaba (Vell.) Berg, sendo esta a espécie mais comercializada no Brasil (MATTOS, 1983).

As principais variedades estão descritas nos quadros a seguir:

Imagem2

As flores brancas e os frutos roxos nascem diretamente do caule e nos ramos. A floração ocorre de julho a agosto e de novembro a dezembro. A frutificação é abundante, ocorrendo nos meses de agosto a setembro e de janeiro a fevereiro.

fruta e flor

Fonte: http://denisegomesludwig.blogspot.com.br/2015/07/01-de-julho-jabuticabeira-jabuticaba.html

As raízes não são agressivas, o que permite o plantio em calçadas, perto de muros ou próximo às piscinas.

piscina

Fonte: www.mulher.uol.com.br/casa-e-decoracao (projeto Grama e Flor, casa em São Paulo)

A jabuticabeira também pode ser plantada em vasos, enfeitando varandas. Lembrando que neste caso, a híbrida é a mais recomendada.

no vaso

Fonte: http://www.revistasuacasa.arq.br/pr/wp-content/uploads/2015/09/054.jpg

É exigente em água, sendo fundamental regar freqüentemente para que produza frutos o ano todo.

Mesmo quando não estão produzindo, as jabuticabeiras embelezam os espaços oferecendo um cantinho sombreado. Para aproveitar a sombra muitas pessoas instalam bancos em torno dela.

jabuticaba banco

Fonte: www.revistacasaejardim.globo.com

jabuticabeira bancos plantasfloresejardins.com.br

Foto. www.plantasfloresejardins.com.br

Infelizmente ainda não fiz um banco em torno da minha jabuticabeira. Vai demorar um pouco, pois ela é proveniente de uma muda obtida por enxertia e não por semente, e por isso tem o crescimento mais lento e seu porte é menor.

A vantagem é que ela sempre produziu deliciosas jabuticabas, desde o primeiro ano em que a plantei. A foto abaixo, tirada em 2009, é da sua primeira safra! O carrinho cor-de-rosa, que aparece próximo à árvore, pertencia à minha filha quando tinha apenas 2 aninhos. Ela estacionava ao lado e participava da colheita!

minha jaboticabeira 8

Hoje minha árvore está com aproximadamente 2,00 metros de altura e já podemos desfrutar de alguma sombra. Assim como Narizinho, temos que compartilhar as jabuticabas com abelhas e vespas.

Seus frutos de cor roxo-escura também atraem pássaros. Estes acabam espalhando as sementes e contribuem muito para perpetuação da espécie na natureza.

minha jaboticabeira 3

Jabuticabeira do meu quintal.

minha jaboticabeira 5

Alguns dos meus familiares gostam de congelar as jabuticabas para chupá-las. Como elas não se conservam por muito tempo após a colheita, é uma idéia interessante, e, segundo eles, serve para refrescar nos dias de calor. Além do consumo in natura, os frutos podem ser utilizados para elaboração de doces, geléias, xarope, sucos, vinho, vinagre, jeropiga e licores.

geleia

Fonte: www.oslaineartes.com.br

sorvete 2

Fonte: http://empratado.com.br/

Com relação aos aspectos nutricionais, a polpa da jabuticaba é rica em manganês, magnésio, potássio e zinco. A semente e a casca são ricas em fibras alimentares e proteínas. A casca também é rica em manganês e contém compostos antioxidantes.

tabelas nutricionais

Fonte: Embrapa Florestas – MAPA

Além dos frutos, a madeira da jabuticabeira também pode ser aproveitada na fabricação de tábuas e móveis, na construção civil e na produção de lenha.

Por ser originária da Mata Atlântica, as jabuticabeiras se desenvolvem melhor em locais de clima quente e úmido. Deve ser plantada sob sol pleno, em solos férteis e bem drenados.

plantio 2

Alguns viveiros são especializados em plantas frutíferas. Antes de comprar, observe sempre se a muda está sadia e vistosa. Escolha a variedade que mais se encaixa no seu gosto e ao realizar o plantio lembre-se de regar frequentemente, mantendo o solo úmido até que a planta enraíze.

A valorização as plantas nativas através da sua utilização em projetos paisagísticos começou no início do século XX. Paisagistas e arquitetos como Burle Marx buscavam livrar os jardins do “cunho europeu”, semeando a alma brasileira e divulgando o “senso de brasilidade”. Com este mesmo espírito, falar sobre plantas nativas do nosso Brasil sempre é muito prazeroso!

Foi uma delícia escrever sobre as jabuticabas. Espero que tenham gostado!

 

Sites e artigos consultados e recomendados:

http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/131711/1/2015-folder-jabuticaba-ef.pdf

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-33062012000400002&script=sci_arttext

Danner, M. A., Citadin, I, Fernandes Junior, A. A., Assmann, A. P., Mazaro, S. M., Sasso, S. A. Z., Formação de mudas de jabuticabeira (Plinia sp.) em diferentes substratos e tamanhos de recipientes. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal – SP, v. 29, n. 1, p. 179-182, Abril 2007.

Frutíferas para cultivar em casa. Coleções Natureza. Volume 1. Editora Europa.